Como fazer um infográfico

Quer saber mais sobre infográficos? Então leia este post!

Olá, pessoal!

Feliz 2020, direto da Terra Média! Vou abrir os trabalhos no blog com um assunto que eu adoro: arte digital e ciência! Você já deve ter ouvido falar em infográficos. Eles são utilizados por muitas revistas e têm ganhado força na divulgação de notícias, incluindo descobertas em ciência e tecnologia (STEM).

Mas quem são eles? Infográficos são elementos visuais explicativos que misturam texto e imagem. Alguns podem conter também som, vídeo e links.

E, não, eles não são novidade. Apesar de hoje serem pouco usados em publicações acadêmicas, trabalhos de naturalistas do início do século XIX já traziam infográficos como suplemento. Basta lembrar da lendária Naturgemälde de Humboldt. Infográficos estão voltando à moda na ciência na forma dos graphical abstracts pedidos por algumas revistas ou graças a iniciativas como Mind the graph e Dataviz.

Aplicações

Infográficos podem te ajudar muito a vender o seu peixe. Como comentado anteriormente aqui no blog, na ciência não basta fazer, você tem que mostrar. Revistas como a Superinteressante e empresas de design e marketing produzem infográficos incríveis, deixando qualquer assunto muito mais palatável. 

Essa palatabilidade vem de uma estética atraente aliada a um conteúdo sumarizado, que foca em informar sobre a essência de um assunto. Para citar um exemplo concreto, um stories do Instagram pode ser considerado um infográfico, dependendo de como for elaborado.

Por conta dessa grande facilidade de se expressar graficamente e compartilhar conteúdo nos dias de hoje, é natural que cientistas, professores e outros profissionais que precisam de uma comunicação eficiente se atrevam a fazer infográficos mesmo sem formação em design, marketing ou arte digital. Se animou? Então bora saber mais sobre infográficos!

Formatos, mídias e propósito

Muitos infográficos costumam vir em formato de retrato alongado (veja a seção de como fazer), principalmente desde que as pessoas começaram a ler frequentemente em telas de smartphones. Contudo, o formato varia muito. Infográficos em revistas de divulgação científica ou jornais impressos costumam ser mais horizontais ou mesmo ocupar até duas páginas consecutivas. Há ainda infográficos verticais em publicações impressas que vêm em formato dobrável. Essa diversidade é muito estimulante, pois te permite soltar a sua criatividade e experimentar soluções específicas para diferentes problemas e mídias.

Também me contagiei com essa renascença dos infográficos na Academia. Inspirada um tempo atrás por outro post sobre divulgação científica não-usual, decidi inserir algumas partes de popularização da ciência na minha tese. No tal post, o Marco sugere substituir as introduções gerais das teses por artigos de divulgação científica. Na minha tese, eu inclui uma seção final simples de comunicação científica com os links para todas as matérias relacionadas à minha pesquisa durante o doutorado. Além disso, também resumi cada capítulo na forma de um infográfico. Como os capítulos todos da tese estavam em inglês, imaginei que compartilhar os infográficos em português seria uma forma legal de disponibilizar a moral da história dos capítulos para qualquer pessoa que queira acessar rapidamente a mensagem da tese. Montar os infográficos foi uma parte bastante prazerosa do processo e por isso decidi compartilhar minha experiência aqui.

Além de ser divertido fazer um infográfico, o processo de elaboração em si tem múltiplas vantagens. Igual ao que ocorre ao prepararmos os slides de uma aula, infográficos podem nos ajudar a entender melhor nosso próprio trabalho e, assim, ter novos insights.

Não apenas a reflexão, mas também a comunicação se beneficia dos infográficos. Eles te ajudam muito a se comunicar com diferentes públicos. Isso é especialmente relevante quando se deseja disseminar conhecimento sobre problemas complexos ou polêmicos em ciência (o que não é raro). Os infográficos também podem facilmente atingir um público muito maior do que os especialistas no tema em questão, pois eles são muito mais fáceis de digerir do que um texto técnico.

Mas então #comofaz?

Neste post vou te contar os passos iniciais, mas saiba que qualquer programa de edição de imagem pode ser usado (com maior ou menor sofrimento) para fazer infográficos.

Por exemplo, no caso do infográfico mostrado abaixo, utilizei o programa online e gratuito Canva, que disponibiliza diversos modelos (templates) para a edição. Cogitei fazer infográficos em PowerPoint ou Gimp, mas estava com pouco tempo para criar um infográfico do zero na reta final do doutorado (sabe como é, né?). Além disso, logo de cara o Canva me pareceu mais fácil de mexer.

A mensagem

Já que a ideia de fazer um infográfico é sumarizar um tema complexo, então reflita cuidadosamente sobre qual mensagem você quer passar.

O infográfico estará disponível para o leitor em um artigo acadêmico ou em uma matéria de jornal? Você vai expor o infográfico em uma aula ou uma palestra?

No exemplo acima (publicado originalmente na minha tese e também aqui), minha meta era falar sobre a hantavirose, usando um mapa de risco para o país. Eu fiz esse infográfico utilizando algumas frases, mas poderia ter também usado bullet points, principalmente se quisesse apresentar estatísticas descritivas.

A mensagem central é que eu gerei um mapa de risco de uma doença zoonótica para o Brasil e quantifiquei que fatores ambientais (quantidade de vegetação nativa, milho e cana) podem levar a um aumento no risco real observado.

Além disso apontei as cidades brasileiras que merecem mais atenção na vigilância da hantavirose, por terem muitos casos ou por apresentarem alto risco da doença.

E aí, neste ponto você já pensou em alguma parte do seu trabalho que poderia virar um infográfico?

A estética

Cor

Hoje em dia é relativamente fácil achar um template estiloso e colorido até para as pessoas que não sabem muito bem como combinar cores. Sites como o Paletton e Color permitem que escolhamos cores acuradamente de forma interativa. O Paletton disponibiliza paletas de cores agradáveis aos olhos utilizando teoria das cores. Dessa forma, você pode escolher cores adjacentes (mais similares), complementares ou estilos livres de combinação. Com o Paletton e o Color você também pode salvar os detalhes da cor ou paleta, copiando seus códigos RGB para usar em um script de R, por exemplo. Leia um outro post interessante sobre a psicologia das cores.

Fonte

Entre fontes serifadas (Times) e não-serifadas (Arial), o alvo de compartilhamento do seu infográfico ditará que tipo de fonte seria melhor usar. As pessoas leem em papel mais facilmente as fontes serifadas, e na web, as não-serifadas. Na minha tese, usei apenas fontes não-serifadas nos infográficos, pois sei que a probabilidade de as pessoas lerem o pdf da tese é muito maior do que a de irem à biblioteca da Unesp ler a versão impressa. Veja o interessante contraste entre esses dois tipos de fontes neste outro post aqui.

Imagens

Procure utilizar nos seus infográficos imagens suas ou de uso livre (por exemplo, disponibilizadas na Creative Commons ou na Wikimedia Commons). Mesmo que a mensagem seja de uso livre, cite a fonte dela ou até mesmo entre em contato com o autor antes de utilizá-la. A segura morreu de velha!

Disposição ótima dos elementos no infográfico

Este resultado talvez seja o mais difícil de se alcançar, pois pode requerer algumas habilidades de design. Se vocês tiverem dicas sobre diagramação, comentem aqui no post. Eu diria que o tamanho das letras e das figuras precisam ser harmonizados. Além disso, tamanhos de fontes precisam ser usados estrategicamente para dispor destaques que impactem o leitor e fiquem em sua memória.

A disposição dos elementos no infográfico também precisa levar em conta uma quantidade agradável de espaços “em branco” (sem escrita e sem figuras) existentes. Espaços em branco são muito mais importantes do que as pessoas imaginam, segundo o conceito japonês de espaço negativo (Ma: 間). Isso definirá se o seu infográfico está muito bagunçado ou “crowdeado de informação”. Menos é mais!

Dicas de exportação de imagem

Não adianta nada fazer um infográfico maravilhoso se você exportá-lo para uso em baixa resolução. O Canva exporta os infográficos em png, jpg e pdf. Na versão grátis do Canva, se você exporta em jpg, a resolução do seu arquivo não será das melhores. Entretanto, se voce exportar como pdf (formato vetorial), você conseguirá converter o arquivo em png ou jpg com uma resolução mais alta para usar em meios digitais ou para impressão de cartazes. Isso é facilmente feito no programa GIMP seguindo estes passos.

Essa limitação de resolução também ocorre no PowerPoint. Na versão mais recente desse programa você pode aumentar a resolução de exportação para até 300 dpi, o que talvez não satisfaça as suas necessidades dependendo do tamanho do seu infográfico. Infográficos contendo mais texto e figuras exigem uma resolução mais alta para melhor visualização.

Adquirindo habilidades para chegar a um infográfico “perfeito”

Eu sei, nós, cientistas, não somos designers! Ao mesmo tempo, sei que posso passar muitas horas retocando cores, fontes e bordas em uma figura por puro perfeccionismo (ou procrastinação?). Lembre-se de que capricho é fundamental, mas perfeccionismo pode ser nocivo.

Logo, calibre bem o tempo que você tem para se dedicar ao seu infográfico, em função das suas outras atividades. Será que compensa passar 6 horas montando um slide de infográfico se a sua palestra amanhã cobrirá um tema denso e você tem apenas um slide pronto até o momento?

Pondere bem suas escolhas e use bem o seu tempo. Senão, você corre o risco de virar refém do seu próprio infográfico! Ao mesmo tempo, saiba que, com o tempo, você vai conseguir resultados cada vez melhores em menos tempo. Então relaxe e use os infográficos a seu favor.

Ah, via de regra, um infográfico perfeito é um infográfico pronto!

Resumindo

  1. Sumarize as informações na ponta do lápis;
  2. Use bullet points ou frases eficientemente;
  3. Use templates prontos para começar a entender o tipo de design mais agradável; para o tipo de informação que você quer passar, bem como a mídia e o público-alvo;
  4. Harmonize os elementos do infográfico e pense também nos espaços em branco;
  5. Preste atenção no tamanho do infográfico e na resolução de exportação;
  6. Pondere o tempo que você tem para gastar fazendo infográficos.

Infográficos para se inspirar

20191121_info_morcegos

 

Screen Shot 2020-02-04 at 11.34.02 AM

  • Jornal da USP 03/02/2020: Coronavírus: cientistas correm para barrar epidemia que vem da China. Mais uma ótima matéria do Jornal da USP, sumarizando siversos aspectos sobre o novo coronavírus, como distribuição, transmissão, sintomas e estratégias preventivas globais, incluindo potenciais vacinas! O infográfico ficou super bonito e informativo:

20200203_info_coronavirus_infografia_1024x852 

Mais sites relacionados (comente aqui se tiver algum outro a acrescentar!)

Coolinfographics: Guia para gráficos e infográficos

Picturing Science: Design Patterns in Graphical Abstracts

Information is beautiful

How Scientific American makes its infographics

Curso online: Aplicação dos princípios básicos de diagramação, uso de cores e tipografia em projetos gráficos

 

10 respostas para “Como fazer um infográfico”

  1. Eu sou apaixonado por essa parte de designer gráfico, e acho muito importante que os cientistas façam uso disso para popularizar a ciência. Amei a ideia dos infográficos na tese, certamente irei fazer isso na minha, muitissimo obrigado pelas dicas 😀

    1. Oi Gustavo, eu tb amo design! Fico muito contente que o post tenha te deixado empolgado pra fazer isso na sua tese tb! Depois compartilha com a gente os infos pra gente incluir o link no post!

      abraços

  2. Muito interessante a ideia, o formato visual facilita a divulgação científica e ainda exercita a criatividade

    Sobre diagramação, tem um curso gratuito bem didático no Portal de Cursos Aberto – PoCA/UFSCar, chama-se “Aplicação dos princípios básicos de diagramação, uso de cores e tipografia em projetos gráficos” (https://cursos.poca.ufscar.br/course/index.php?categoryid=4)

    Obrigada por compartilhar o post, os exemplos de infográfico são inspiradores!

  3. Oi Renata! Adorei suas explicações e dicas para a elaboração dos infográficos, incluindo os links que vc disponibilizou. Sou fã desse tipo de trabalho, mas nunca me arrisquei em fazer, pelo menos não tão elaborado assim. Com suas dicas e orientações vou tentar. Muito obrigada por compartilhar seu conhecimento!! Continue assim, por favor!!

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.