Como dar uma palestra

O veículo oficial da comunicação científica são as revistas e livros. Contudo, a comunicação de descobertas e ideias passa muitas vezes também pela oralidade. Assim, é essencial que você, aspira, também saiba dar palestras de forma eficiente.

Resolvi escrever este guia, a fim de ajudar meus alunos a se expressarem melhor oralmente. O texto está divido nos tópicos mais importantes para se fazer uma boa apresentação. Ele serve apenas como um conjunto de dicas básicas, não substituindo o treinamento com um bom orientador e nem a leitura de livros especializados no assunto.

Por que apresentar trabalhos também de forma oral?

Se a comunicação escrita é a mais importante entre cientistas, qual é a utilidade de se comunicar também oralmente? Bom, os textos servem como documentos, que oficializam as informações e ajudam a diminuir sua deturpação ao longo do tempo. Afinal de contas, todo conhecimento oral sofre o famoso “efeito telefone sem fio” (deturpação na reprodução, conforme passa de pessoa a pessoa). Mas comunicar idéias oralmente tem também suas vantagens, sendo um bom complemento à comunicação escrita. Quando você está diante de uma platéia, tem a oportunidade de interagir diretamente com ela. Além disso, as pessoas são animais sociais, então informações transmitidas pessoalmente tendem a ter um valor adicional. Esse contato direto em eventos científicos e cursos nos permite estabelecer relações mais fortes com colegas e alunos, estreitando assim laços sociais na comunidade acadêmica e ajudando a criar uma boa reputação. As palestras e artigos atuam em simbiose na tarefa de divulgar descobertas e convencer a comunidade científica de que elas fazem sentido.

Quais são as diferenças básicas entre a comunicação escrita e a oral?

A principal diferença se deve ao fato de o autor estar presente no momento da troca de informações. Sendo assim, em uma palestra é possível que o público tire dúvidas imediatamente e que o autor receba o feedback também em tempo real. Porém, na comunicação escrita ambos os lados têm mais tempo de digerir as idéias, o que por outro lado é vantajoso. Outra diferença fundamental é a “durabilidade da mensagem”. Na comunicação escrita, você escreve suas idéias em um documento oficial (livro, artigo, apostila), elas sobrevivem muito além do seu próprio tempo de vida e sua forma original estará sempre disponível para consultas durante um tempo indefinido. Isso não é possível na comunicação oral, a não ser que se grave a palestra em video. Mas assistir ao video depois não tem o mesmo efeito de assistir a uma palestra ao vivo. Em terceiro lugar, você deve lembrar que quando alguém lê um texto, pode fazer pausas quando necessário (cansaço, vontade de ir ao banheiro etc.) e retomá-lo posteriormente. Na apresentação oral o público é seu refém.

O que devo levar em conta ao planejar uma apresentação?

Tendo em mente as diferenças entre as comunicações escrita e oral, pode-se pensar no planejamento de uma apresentação. Você deve considerar os seguintes aspectos principais, comentados em detalhes nas próximas seções.

Tenha uma boa história para contar

Você deve ter todo o capricho com a forma da sua palestra, pois ela é fundamental para passar sua mensagem de forma eficiente. Contudo, não adianta fazer embrulho bonito para presente ruim. Tenha sempre uma boa história para contar. Foque cada palestra em uma única mensagem central clara, objetiva e interessante. Você pode até incluir algumas poucas mensagens secundárias, mas uma boa palestra deve ter um fio condutor claro com uma moral da história ao final. Uma palestra, assim como um artigo, é um argumento. Uma palestra confusa, que dá voltas e voltas sem chegar a lugar algum, ou que trata “da vida, do universo e de tudo mais” invariavelmente se torna chata e perde o público logo nos primeiros minutos.

Uma boa palestra deve soar como uma conversa

Pense sobre todas as palestras que você assistiu na vida. Provavelmente, só algumas poucas ficaram na sua memória. Uma parte dessas te marcou por ser ótima, outra parte por ser péssima. Pense bem sobre como eram as palestras nesses dois grupos. Você verá que as palestras que te causaram uma ótima impressão foram dadas como conversas com o público, em que, independente da velocidade ou energia do palestrante, parecia que ele estava falando diretamente com todos e cada um na platéia. Dê a sua palestra como se estivesse contando uma história para um grupo. Funcionará bem melhor do que “falar” com um ponto distante no fundo da sala, ou pior, ler um texto no palco como se fazia antigamente na Academia.

As pessoas não conseguem se concentrar por muito tempo

É preciso respeitar a capacidade máxima de atenção contínua das pessoas, que gira em torno de 40 min – 60 min, no máximo, evitando assim falarmos por um tempo longo demais (hoje em dia, na “era multitarefa”, esse tempo vem caindo progressivamente). A grande maioria das apresentações científicas, especialmente em congressos, deve girar em torno de 15 min, incluindo perguntas. Aulas e palestras maiores não devem ultrapassar os 50 min. Especialmente se a apresentação acontecer em um congresso, onde a platéia tem que assistir a várias pessoas em um mesmo dia e por isso deve estar cansada e dispersa, você tem que buscar diferenciais que ajudem a entreter a platéia e chamar sua atenção de forma positiva. Faça piadas inteligentes (mas não em grande quantidade), use analogias divertidas, interaja com as pessoas através de perguntas retóricas, se possível. Além disso, olhe de vez em quando para uma pessoa específica, como se estivesse conversando com ela, e troque de pessoa sempre. Isso dará um toque mais pessoal. Afinal de contas, quando queremos perguntar a verdade sobre algo a uma pessoa, não pedimos que ela nos olhe nos olhos?

Um slide, um minuto

Via de regra, para não estourar o tempo, planeje cerca de 1 slide por minuto em sua palestra. Se possível, menos do que isso, depois que você pegar a manha.

Um slide, uma ideia

Slides não são paginas de livros! Nada é pior do que escrever ou transcrever um parágrafo inteiro, cheio de informações, em um slide. Isso não faz o menor sentido! Em cada slide apresente apenas uma única ideia ao público. Isso vai tornar muito mais fácil acompanhar o seu raciocínio.

Não se perca nos detalhes

Detalhes são para textos escritos. Em uma apresentação oral, concentre-se no que é essencial, ou seja, o contexto do trabalho, os objetivos, o padrão geral dos resultados e principalmente suas conclusões. Sempre reserve tempo para perguntas, nunca consuma todo o tempo disponível apenas com a exposição. Afinal de contas, não tem sentido desperdiçar a oportunidade de interagir em tempo real com a platéia.

Use pouco texto!

Na verdade, use quase nenhum texto. Slides, transparências ou lousas não devem conter textos grandes demais, porque o foco principal da platéia deve ser no que estamos falando. Escrevendo demais, você cria uma confusão extremamente ruim entre ler e ouvir. Você precisa usar apenas tópicos ou palavras-chave. O slide serve como complemento à sua fala. Lembre-se: em uma palestra ou aula, você é a legenda!

Somos animais visuais

Você deve considerar que somos animais visuais. Portanto, tudo quanto possível deve ser explicado com imagens, não palavras. Você precisa usar diagramas, fotos, desenhos, vídeos, animações e afins. Fora isso, o material didático deve ser atraente, caprichado e objetivo, de modo a prender a atenção da platéia Você tem que evitar qualquer material mal preparado ou com estética ruim, como fotos desfocadas e mal enquadradas, desenhos mal feitos e transparências velhas e amareladas.

Slides devem ter bom contraste

Quando você usa slides ou transparências, deve sempre buscar um bom contraste entre o conteúdo e o fundo. Se a apresentação ocorrer em uma sala mais escura, o fundo deve ser mais claro, e vice-versa, mas sem um contraste forte demais entre a luminosidade da sala e do slide, o que cansa a vista. É fundamental examinar antes o local onde falará, a fim de saber de antemão o que é necessário para aumentar a chance de uma comunicação bem-sucedida. Para ficar seguro, prefira fundos não muito claros nem muito escuros para seus slides.

Atenção às cores

Pode parecer bobagem, mas é muito importante planejar bem o esquema de cores de um slide. Há toda uma psicologia por trás das cores, que influencia a nossa forma de receber, processar e guardar uma mensagem. Um slide precisa ser ser bonito e também causar a impressão visual correta, de acordo com o impacto que você quer causar no público. Enquanto um esquema de cores pode fazer os espectadores dormirem, um outro esquema pode deixá-los agitados, tristes, alegres ou pensativos. Leve em conta também o “humor” do tema da sua palestra ao definir o esquema de cores: uma palestra sobre um tema pesado e triste como o câncer talvez não fique bem com um esquema de cores a la MacDonald’s…

Evite fontes rebuscadas

Nos textos, você deve sempre evitar fontes “serifadas”, ou seja, aquelas letras cheias de perninhas e enfeites, como Brush Script. Deve usar fontes simples, como Arial. Fontes serifadas (sem excessos) são melhores para a comunicação escrita em textos longos, como artigos, pois relaxam a vista nesses casos.

Escolha o equipamento de acordo com a situação

Antes de dar uma palestra ou aula, procure saber o tipo de equipamento disponível: datashow, retroprojetor, projetor de slides analógico, quadro branco, quadro negro, DVD, internet etc. Escolha o que lhe parecer mais adequado e certifique-se da disponibilidade no dia. Se for usar um computador com datashow, saiba que versão do Powerpoint, Keynote, Impress ou Prezi estará disponível.

Atenção ao enquadramento

Uma coisa que quase todos se esquecem de considerar, mas que leva muitos ao desastre, é o enquadramento dos slides. É muito comum ocorrerem problemas de enquadramento, devido à diferenças de resolução entre o computador e o datashow, ou mesmo devido a forças malignas incontroláveis. Sendo assim, nunca use o espaço todo do slide. Deixe sempre margens vazias em todos os lados, sem conteúdo, apenas com o fundo geral. Isso evitará sérias dores de cabeça, como eixos de gráficos cortados. Se for usar os velhos projetores de slides analógicos, certifique-se três vezes de que colocou seus slides da maneira correta, para que eles não apareçam invertidos de alguma forma ou engasguem o projetor.

O seguro morreu de velho

Como sempre pode ocorrer incompatibilidade entre programas de slides (e.g. Powerpoint x Keynote), ou mesmo entre versões de um mesmo programa (e.g. Powerpoint 2007 vs. 2016), é melhor se prevenir. Em congressos, onde você nunca sabe de antemão as condições exatas de apresentação, prefira fazer uma apresentação sem vídeos, sons, transições de slides ou efeitos especiais. E salve o arquivo como PDF, pois quase todo computador tem o Adobe Acrobat Reader, que permite exibição em tela cheia e passa slides da mesma forma que os programas de apresentações. Além disso, PDFs quase não sofrem com problemas de compatibilidade, permitindo visualizar seu arquivo até mesmo em computadores diferentes com sistemas operacionais diferentes (e.g. Windows, MacOS, Linux, iOS ou Android). Há várias formas de salvar um arquivo PPT ou KEY como PDF, seja com as opções default do sistema, ou através de add-ons e programas gratuitos.

Como saber se você obteve sucesso?

A comunicação pode ser considerada bem-sucedida, quando a maioria do público entende a mensagem que você quis passar, mas é claro que é difícil avaliar isso sem ler a mente das pessoas. Você pode estimar seu sucesso de maneiras indiretas, como quando sua palestra provoca reações positivas no público (e.g. aplausos entusiasmados). Se as pessoas fizerem perguntas, isso é um bom sinal. Se as perguntas não forem sobre a sua mensagem em si, mas avançarem dentro do assunto discutido, isso é um ótimo sinal, pois as pessoas te entenderam e se interessaram pelo assunto. Se, além disso, algumas pessoas te procurarem no intervalo ou te escreverem depois com mais perguntas aprofundadas, então seu sucesso foi realmente grande.

Leituras importantes

Agradeço a diversos colegas que contribuíram com sugestões para este guia. * Primeira versão publicada originalmente em 2007, mas atualizada constantemente depois disso. Exemplo de um bom slide Este slide foi usado em uma palestra dada por mim na Annual Meeting of the Association for Tropical Biology and Conservation 2008, pela qual recebi o Luis F. Bacardi Award.

Exemplo de uma excelente palestra TED

emma teeling

A famosa keynote em que Steve Jobs apresentou o iPhone

Nessa apresentação ele explica para o mundo de forma magistral o gadget que revolucionaria completamente os conceitos de telefone celular, PDA e MP3 player. Jobs, como sempre, deu um verdadeiro show. Muitas das técnicas que ele usa funcionam também em palestras científicas.

Pensando fora da caixinha 1

Inovar é sempre bom, especialmente para cientistas. Levando isso em conta, saiba que hoje em dia há alternativas ao consagrado esquema de slides ao estilo Powerpoint (ou Keynote, Impress etc.). Considere tentar algo novo e mais dinâmico na sua próxima palestra, como por exemplo o Prezi ou o eMaze. Veja os slides de uma palestra que apresentei na Humboldt Kolleg 2014, usando o Prezi:

prezi hk2014

Pensando fora da caixinha 2

Estude retórica e melhore a sua capacidade de convencer o público, tanto de forma oral quanto escrita. Ouça um excelente episódio do Nerdcast com uma introdução à essa arte.

nerdcast retorica

Pensando fora da caixinha 3

Para se tornar ainda mais convincente, estude também as descobertas mais recentes sobre cognição feitas pela neurociência. Novamente recomendo começar por um Nerdcast sobre o tema, no qual fizeram um belo apanhado de informações úteis.

nerdcast neurociencia

Cuidado com o DAA!

deficit de atencao em apresentacoes daa

#sadbuttrue (by PhD Comics)

conference presentation phd comics

14 opiniões sobre “Como dar uma palestra

  1. Pingback: Como fazer um pôster científico | Sobrevivendo na Ciência

  2. Pingback: Resumo científico: quando menos é mais | Sobrevivendo na Ciência

  3. Ótimo! Fiz uma apresentação (comunicação oral) na sexta-feira e se tivesse tido contato com seu texto antes, poderia ter me saído melhor.
    Parabéns!

  4. Pingback: Publicar artigos é fundamental! | Sobrevivendo na Ciência

  5. Pingback: Para que servem congressos? | Sobrevivendo na Ciência

  6. Pingback: Como dar uma palestra « Christiane Donato

  7. Marco ficou muito bom! Já me ajudou com a apresentação oral para o EBEQ! Obrigada!

  8. Pingback: Como dar uma boa aula na universidade | Sobrevivendo na Ciência

  9. Pingback: Como se portar em um congresso | Sobrevivendo na Ciência

Os comentários estão desativados.